Paulo Schroeber: Ele era um super-herói", diz De Ros

Publicado em: terça-feira, 25 de março de 2014
Schroeber será cremado nesta terça-feira, às 18h, no Memorial Crematório São JoséFoto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

Músicos caxienses estão consternados com a morte do guitarrista Paulo Schroeber, 40 anos, ocorrida no início da noite de segunda-feira. O caxiense Marcos De Ros, colega de profissão e de instrumento, fala de Véio, como o ex-guitarrista da Almah era chamado por amigos, como uma espécie de divindade.

— Pra mim ele era tipo um super-herói, ele tocava coisas que ninguém conseguia — elogiou De Ros, também conhecido por seu talento na guitarra.  — Então, está tudo estranho, porque o Super-Homem não morre no final.

De Ros diz que os dois quase chegaram a gravar uma material autoral, mas que o projeto não foi adiante devido à dificuldade das partituras musicais deixadas para ele pelo amigo.

— Quando eu vi as partituras disse que eu não tinha nível pra tocar aquilo, eu teria que estudar demais. Eu perdi um ídolo tanto musicalmente quanto pessoalmente — lamentou o músico.

Humildade foi um dos substantivos mais utilizados pelos músicos que estão se despedindo de Schroeber. O baterista João Viegas, que tocou com ele em bandas como Fall Up, Naja e Pantera Cover, disse que Schroeber sempre foi muito simples e de um talento que poucos têm.

— Ele era um mestre, pra mim indiscutivelmente o melhor guitarrista do Brasil. Ele já era um ícone antes de eu conhecê-lo, em 1999, agora ele entrou para a história — disse Viegas.

Schroeber deixou o Almah, banda que conta com Edu Falaschi, ex-vocalista do Angra, e Felipe Andreoli, baixista também desta mesma banda, em 2012, para tratar de problemas de saúde. No Facebook, Falaschi fez questão de relembrar de como conheceu o amigo caxiense, com quem gravou os discos Fragile Equality (2008) e Motion (2011). Segundo ele, Schroeber apareceu para fazer um teste para o Almah, mas disse que não conhecia nada das músicas do grupo e do Angra. Falaschi disse, então, para ele tocar o que gostava, e o caxiense falou que gostava de "descer o sarrafo na guitarra." "Eu ri muito com essa frase, daí o cara começou a tocar, fiquei em choque com tamanha técnica e facilidade de tocar as coisas mais malucas que eu já presenciei ao vivo de um guitarrista".

Schroeber será cremado nesta terça-feira, às 18h, no Memorial Crematório São José . Ele está sendo velado na Capela "E" do Memorial São José, em Caxias do Sul.

1 comentários:

André Mariano dos Reis disse...

Um gênio, o melhor de todos, Paz!

Postar um comentário