NX Zero: que recentemente completou 15 anos de carreira, volta a POA em dezembro

Publicado em: quinta-feira, 25 de agosto de 2016
Crédito César Ovalle
       
O NX Zero, que recentemente completou 15 anos de carreira e deixou assim o seu nome gravado como um dos mais importantes do rock nacional, voltará a Porto Alegre, no dia 10 de dezembro, para mais show que vai divulgar o seu sétimo trabalho de estúdio, chamado “Norte” e lançado no ano passado. A apresentação, que será mais uma vez realizada no Opinião, vai servir para mostrar aos fãs gaúchos a atual fase da banda, que conta com canções mais maduras, complexas e que absorveram novas influências ao longo dos últimos tempos. Misturando soul, funk dos anos 60, hard rock, rap, psicodelia e a mesma energia de sempre, o grupo de São Paulo vai impressionar todo mundo com uma pegada diferente, intercalando o repertório do seu mais novo álbum, a partir dos singles radiofônicos “Fração de Segundo”, “Pedra Murano” e “Meu Bem”, cujos videoclipes somados já ultrapassaram a marca de seis milhões de visualizações no Youtube, com outros tantos hits da sua carreira, do tamanho de “Cedo ou Tarde”, “Daqui Pra Frente”, “Razões e Emoções” e “Maré”.

O NX Zero já tinha dado as pistas com “62 Mil Horas Até Aqui” e “10 Anos”, dois trabalhos com efemérides no título, que resumem o que foram os primeiros anos da banda. Com o disco que acabam de lançar, “Norte”, apontam um novo rumo na carreira. Melhor, mais maduro, mais integrado... Os adjetivos são todos válidos.

Ao finalizar a turnê de “Em Comum”, de 2012, Di Ferrero (vocal), Gee Rocha (guitarra), Fi Ricardo (guitarra), Caco Grandino (baixo) e Daniel Weksler (bateria) se viram com um ciclo completo. Percorreram a tal estrada de quem faz sucesso de cara e seguiram com o pé fundo no acelerador disco após disco, turnê após turnê, prêmio após prêmio. Mas o mundo mudou nesses quase 15 anos de grupo. O quinteto já tinha uma assinatura própria de som, tinha a coesão e entrosamento de permanecerem fiéis à formação original e, claro, tinha agora uma carreira e nome a zelar.

Você ouve “Norte” e está tudo ali: a força das melodias, principalmente da dupla titular de composição, Di e Gee. Só que o som aposta menos na urgência, característica no início da banda, e mais na qualidade do produto final. As guitarras nunca soaram tão bem, os arranjos vocais idem, existem texturas sublimes, daquelas que dá vontade de apagar a luz e escutar o disco com um bom fone de ouvido, fugindo de qualquer interferência externa. Até um Moog e pedal steel compõem o novo armamento da banda.

Foi um ano de dedicação às composições, depois se mandaram para a praia onde maturaram o disco numa pré-produção até entrarem em estúdio com o produtor Rafael Ramos (Pitty e Titãs) para lapidarem o material. De cara eles decantam as fontes de onde beberam nos últimos anos em “Modo Avião”, cercada de novas timbragens de guitarra, loops e teclados. Soul e funk sessentistas giram em alta rotação no primeiro single, “Meu Bem”, e “Mandela” segue no mesmo suingue, só que com mais peso. 

A mixagem do trabalho ficou simplesmente a cargo de Jim Scott (Red Hot Chilli Peppers, Foo Fighters e Rolling Stones), Tim Palmer (U2 e Pearl Jam) e Mario Caldato Jr. (Beastie Boys, Jack Johnson e Marisa Monte). O primeiro assina a mix das duas faixas seguintes e, não por acaso, as guitarras do NX ressoam em modo John Frusciante (Red Hot) em “Fração de Segundo”, com um solo matador de Lulu Santos como cereja, enquanto “Por Amor” acelera em hard rock em guitarra com delay e vocal em flerte com rap.

“Personal Privê” é mais emotiva, em BPM desacelerado e ousado falsete vocal de Di, até o lap steel entrar em “Vibe”, que é belamente conduzida pela cozinha bateria-baixo de Caco e Daniel. Há Moog e guitarra mais limpa na sessentista “Pedra Murano”, canção pra dançar – “Breve Momento” –, mais rock acelerado (“Gole de Sorte”) e soul com acento psicodélico (“Milianos”). Ou mesmo balada em crescente, que fecha o trabalho, “Marcas de Expressão”, que segundo Tim Palmer, que a mixou, possui “uma qualidade hipnótica” e “melodia grudenta sem ser melosa”.

Mas o que temos aqui é o disco pelo qual o Nx Zero ficará marcado positivamente na história do rock brasileiro, ao menos até agora. Que venham mais 15 anos e depois discutimos isso. O importante neste momento é escutar “Norte”. Se bem que, com receita tão refinada, o melhor verbo no caso é saborear.

NX ZERO

Onde:
Opinião (Rua José do Patrocínio, 834 - Cidade Baixa - Porto Alegre)
Quando:
10 de dezembro, sábado, às 20h
Abertura da casa:
18h30
Classificação:
14 anos

Ingressos:

Lote 1:
Promocional (valor reduzido, com a doação de 1kg de alimento não perecível, disponível para qualquer pessoa): R$ 45
Estudantes e idosos (desconto de 50%): R$ 40
Inteira: R$ 80

Lote 2:
Promocional (valor reduzido, com a doação de 1kg de alimento não perecível, disponível para qualquer pessoa): R$ 55
Estudantes e idosos (desconto de 50%): R$ 50
Inteira: R$ 100

Lote 3:
Promocional (valor reduzido, com a doação de 1kg de alimento não perecível, disponível para qualquer pessoa): R$ 65
Estudantes e idosos (desconto de 50%): R$ 60
Inteira: R$ 120

* Os alimentos deverão ser entregues no Opinião, no momento da entrada ao evento.

** Para o benefício da meia-entrada (50% de desconto), é necessária a apresentação da carteira de estudante na entrada do espetáculo. Os documentos aceitos como válidos estão determinados no artigo 4º da Lei Estadual 14.612/14.

Pontos de venda:

Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência – somente em dinheiro):
Youcom Bourbon Wallig

Demais pontos de venda (sujeito à cobrança de R$ 5 de taxa de conveniência – somente em dinheiro):
Youcom Shopping Praia de Belas, Iguatemi, Bourbon Ipiranga, Barra Shopping Sul, Bourbon Novo Hamburgo e Canoas Shopping
Multisom Andradas 1001 e Bourbon São Leopoldo


Informações:


0 comentários:

Postar um comentário