Rosa Tattooada: "De volta onde tudo começou" no Ocidente [Resenha]

Publicado em: sábado, 3 de maio de 2014

O "Ocidente Acústico" na noite do feriado do dia do trabalho, não teve nada de acústico...

Jacques Maciel, Valdi Dalla Rosa e Dalis Trugillo iniciaram a sua performance exatamente às 23h16 e agitaram o público presente desde o primeiro até o último acorde.

Público, que para ver essa performance pra lá de especial enfrentou a noite fria que fazia em Porto Alegre, mas que foi presenteado com um setlist muito especial, com direito a uma tour por todas as fases dessa banda que já está na estrada há mais de duas décadas.

De volta onde tudo começou, no Ocidente...O primeiro show individual da Rosa Tattooada aconteceu nesse mesmo local onde estamos há 25 anos atrás...
Só esse fato já é de emocionar todos os presentes.

Foto by Carina Steiner
O público que compareceu ao tradicional casarão da Osvaldo Aranha esquina João Telles para assistir o power trio foi composto por fãs com uma faixa etária predominante inferior aos 30 anos de idade, o que demonstra esse poder que só os reis do hard rock nacional possuem, poder de se reciclarem, e assim cativar um novo público, não que os antigos fãs, nos quais eu me incluo, deixaram de gostar da banda.
As pessoas quando atingem uma determinada idade, acham que não tem o direito de se divertir quando mais jovens...mas voltando ao tema da resenha...

O jeito que a banda tem de interagir com seu público, é extraordinário, é único.
O carismático Jacques Maciel e sua trupe meio que hipnotizam os presentes quando estão fazendo o seu hard rock de primeira qualidade. Dá orgulho ver essa banda que está na estrada há mais de 25 anos... tanto tempo se passou e pra eles o tempo não passou...Quando se faz o que se gosta de verdade é inevitável que isso aconteça, dá pra sentir que eles tem tesão pelo que fazem.
O rock escorre pelas veias dos "Rosas Tattooadas" #Fato




Não tem como destacar qual momento do show teve maior destaque; mas claro que quando executaram o clássico "Tardes de Outono" o Ocidente meio que balançou (risos) tamanha a euforia do público; e quando quase ao final do show a banda tocou os pimeiros acordes do hit "O Inferno vai ter que esperar" os presentes foram à loucura, cantando a música em uníssono com a banda.

Mas isso também aconteceu nas músicas do mais recente álbum "XXV" dava para sentir a empolgação da banda em ver o feedback de músicas como  "Cerveja & Rock and Roll", "Rezar Não Vai Te Livrar do Fim",  "Tão Longe", "Hard Rocker, Old Scholl"  e "Só Um Beijo Da Sua Boca" ...


E quando o frontman da banda pergunta aos presentes se eles querem ouvir uma música que fala sobre uma alienígena de cabelos verdes?? Como disse não tem como dizer qual momento do show foi o melhor, em qual momento o público mais interagiu...



Emoção é a palavra que descreve brilhantemente esse momento, ou melhor, o show na sua íntegra.



Fotos: Henrique Borges



























Leia matéria no Whiplash.Net

0 comentários:

Postar um comentário