Marillion: diário de um fã [14/10/2012]

Publicado em: terça-feira, 16 de outubro de 2012

Domingo, dia 14/10/2012, data que ficará marcada por um longo tempo na minha vida.
Primeiro show ao vivo que assisti da  banda britânica de rock progressivo Marillion
Primeiro show do quinteto na capital gaúcha, Porto Alegre, onde resido.

15h30 me encontrava no Teatro do Bourbon Country na expectativa de presenciar o soundcheck do  grupo...Um pouco mais de 90 minutos de espera e o sonho começou...


Por volta de 17h14 eu  e mais cinco felizardos fomos convidados a participar da passagem de som de Steve Hogarth, Steve Rothery, Mark Kelly, Pete Trewavas e Ian Mosley por quase 1 hora.


Admito que depois desse mini-show, quase que exclusivo, não precisava assistir o show propriamente dito, pois estava mais do que satisfeita...mas fã que é fã sempre quer mais, não é mesmo?

Poucos minutos faltavam para o início do show e o público presente era muito aquém do esperado, mas aos poucos o mesmo foi silenciosamente ocupando o teatro, que diga-se de passagem tinha uma acústica e acomodações perfeitas, dignas de receber a banda.

Hora do show e o público presente nesse momento já ocupava as dependências do teatro.
Menos de três minutos se passavam da hora marcada para o show e a banda que é considerada uma das mais representativas do rock progressivo começou a sua performance magistral.

Splintering Heart abriu o setlist interpretada num dos camarotes do teatro para a surpresa dos fãs desavisados que lá estavam.


Em quase duas horas de show a  trupe apresentou músicas do seu mais recente trabalho “Sounds That Can't Be Made”,  e para o delírio dos presentes uma infinidade de  clássicos de sua carreira como Beautiful, Kayleigh, Easter, Lavender  entre outras.


Steve Hogarth, como sempre, foi uma atração a parte... O Frontman deu uma aula de como se canta, de como se interpreta uma canção. Não encontro palavras para descrever tamanha emoção, tamanha inspiração.



Steve Rothery mostrou por que é um dos melhores guitarristas da atualidade, por que está no topo da hierarquia dos guitarristas ...O som inconfundível que ele tira de sua  guitarra, o extremo bom gosto na escolha das melodias...Seus solos que são uma marca registrada da banda. Quase chegam a dialogar com a letra, ou chegam? Seus  solos irretocáveis demonstram todo o seu  bom gosto para compor, escolher sons, respeitar pausas, transmitir o feeling de música e letra. Criando uma ambiência ímpar.



Não posso falar em ambiência sem citar, Mark Kelly.  O que falar dos seus teclados mágicos que deixaram a platéia  porto-alegrense boquiaberta?


Aliás a banda toda foi irretocável na sua apresentação. São exímios músicos, instrumentistas.
Vendo o grupo em ação sente-se perfeitamente a sua verdade, quero dizer, é uma banda verdadeira...que faz um som no qual acredita e assim o torna crível.
Marillion é uma banda que dá vontade de ouvir de olhos fechados, faz um som viajante, um som instigante... completo, complexo. Uma música centrada no rock and roll, progress, jazz, blues, soul, funk, country, com pitadas de metal. Difícil descrever. Detesto rótulos. O som do Marillion é um som universal, como toda a música de qualidade o é - e bota qualidade nisso. Durante o show me deu vontade de fechar os olhos inúmeras vezes, mas como perder a atuação, interpretação de Steve Hogarth? Dilema.
Eu poderia ficar horas descrevendo o que presenciamos domingo no Teatro do Bourbon Country...
Só tenho uma coisa a constatar, felizes foram os que presenciaram esse show no último domingo.
O Marillion com suas mais de três décadas de formação mostrou ao público gaúcho o seu som eternamente revigorado.

Setlist original do show de PortoAlegre

O setlist acima teve alterações...Lembro quando um fã - Alexandre Nascimento - um grande amigo e um dos maiores fãs da banda que conheço, gritou "Garden Party" e a banda imediatamente o atendeu.

Conversei com pessoas que foram no show mas, todas não souberam me afirmar precisamente, entre elas me incluo, as alterações feitas, tamanha foi a euforia que a banda nos submeteu...

Vida longa ao Marillion. E que retornem em breve ...não nos deixem órfãos por mais 15 anos, eu suplico.
 

Obrigada Paulo Mathias (Marillion Brasil), obrigada Renato (Top Link Music) por esse dia/ noite inesquecíveis!!




Fotos by Sônia Butelli,  Estevan Vedovelli e Marcelo Mysqueu. [Obrigada a vocês também]



Matérias relacionadas no Rocksblog

0 comentários:

Postar um comentário